A voz do povo é a voz de Deus: Comunidade Eclesial Micronacionalista chega à Padme e inaugura primeira Igreja do Estado

Desde a proclamação do Estado Novo em 01 de Março deste ano, Padme viveu intensas mudanças em sua ordem politica, cultural e social. Esta profunda transformação se refletiu consequentemente na sociedade padmesa, que cada vez mais toma frente das decisões do país.

A Constituição de 2017 foi também a ferramenta significativa neste processo, que findou a supremacia de um ideal político-religioso e proclamou a liberdade, conferindo soberania a seu povo.

Na semana passada, o Conselho Supremo aprovou em unanimidade a PEC nº 02/2017 que pôs fim a obrigatoriedade do ideal budista em Padme, consequentemente, a Emenda Constitucional cuja autoria, é da Ministra do Interior, Amélie Loreal, desvincula o ideal budista da politica e cultura padmesa de forma cabal.

Neste final de semana, o Príncipe Soberano se reuniu com o Arcebispo Metropolitano de Treviso, Sua Eminencia, Don Neimar Bionaz. Na ocasião, o monarca buscou o apoio da Comunidade Eclesial Micronacionalista (CEMIC) neste novo momento vivido pela sociedade padmesa, que atualmente professa a fé Católica Maronita.

Neste Domingo (04/06), Sua Eminencia, o Arcebispo Metropolitano de Treviso emitiu um decreto que erigiu o primeiro templo católico em Padme, denominado de Curato de São Jorge, o santo, mártir cristão e mundialmente venerado, foi escolhido pelos padmeses como padroeiro da nação.

Tais acontecimentos é a demonstração de que uma sociedade, mesmo que micronacional é dinâmica, e o Estado deve atender o clamor de seu povo, em concordância com o principio da evolução social.

Nomeado novo Ministro da Defesa e primeiro oficial das Forças Armadas Padmesa

Na manhã deste dia 31/05 foi nomeado o novo Ministro da Defesa Sr. Faruk Lubulof, o ministro é também membro ativo do Conselho Supremo, foi autor do Projeto de Emenda Constitucional nº 01/2017 que altera o dispositivo da Constituição Padmesa de 2017 para permitir a criação de Forças Armadas e um sistema de defesa que garanta a segurança nacional. Mesmo com o descontentamento de alguns parlamentares sobre a proposta, a PEC foi aprovada pelo Conselho Supremo pelos aliados de Faruk Lubulof.

Em reunião no Palácio do Pavão, Sua Alteza Real o Príncipe Soberano decidiu emitir a ordenação principesca nº 05/2017 que nomeia o então Conselheiro ao cargo de Ministro da Defesa, o Príncipe concedeu ainda ao mesmo, o posto de Primeiro-Capitão do exército. Mesmo não havendo lei ordinária que defina as estruturas militares de Padme, é possível que após estes éditos, o parlamento, em especial a bancada opositora, interfira no assunto e apresse um projeto de lei que regularize o tema, atualmente Sr. Faruk Lubulof tem forte apoio dentro da Assembleia.

Supremo Conselho de Padme aprova fim do ideal pacifista e a criação de um sistema de defesa nacional

A proposta de Emenda Constitucional enviada no dia 17/04 pelo Parlamentar Faruk Lubulof, tem como matéria a alterar o Artigo 6º, paragrafo 4º da Constituição Padmesa de 2017 que dispõe: “… O Estado Principesco de Padme renuncia a ter Forças Armadas”. Segundo o Membro-Conselheiro, esse dispositivo ameaça a segurança e integridade moral de um país, posto que desde os primórdios da humanidade, e ainda nos tempos tribais, a segurança era um principio supremo, não é atoa que construímos muros e cercamos nossos casas até hoje, a fim de que possamos nos sentir mais seguros, assim argumenta o Parlamentar, e afirma que Padme necessita de um sistema de segurança, mesmo que nos moldes moderno, mas é uma questão priori.

Em contra partida, a discussão no plenário percorreu até o dia 27/04, a Ministra do Interior, Amélie Loreal e também membro Parlamento Padmês, num primeiro momento enviou um recurso ao Colegiado na qual dizia “repudiar a emenda“, pois violava o principio do pacifismo, amparado antes mesmo da constituição de 2017. A Ministra ainda fez o um apelo a sociedade, para que se mobilizasse em prol do veto desta emenda.

O Príncipe Soberano não interveio nas sessões e deixou prolongar a matéria até que todos os parlamentares interessados votassem, o que por fim, veio o resultado, a PEC 01/2017 foi aprovada, Padme passa ter direitos de constituir suas forças armadas e seu sistema de defesa e segurança conforme lei específica. Tal episódio foi considerado pelos parlamentares a favor da Emenda, uma vitória, e julgam ser o início da consolidação de partidos e bancadas políticas. A matéria segue agora para a sanção principesca, já considerada aprovada.

Padme: Últimas Notícias da Semana

É sancionado o Estatuto da Cidadania Padmesa

O Ministério do Interior enviou ao Gabinete do Príncipe Soberano, no início do mês de março, uma proposta de lei, que visava ampliar o Artigo 34 Par. único da lei maior. A Ministra Amélie Loreal, recém-empossada, foi autora da proposta, e comprometida com a democracia padmesa e a carta universal de direitos humanos, expressou no documento belíssimas palavras: “…fiéis aos altos valores históricos morais, culturais, linguísticos e étnicos que unem os cidadãos padmeses, animados do firme propósito de promover o gradual aperfeiçoamento, em todos os planos de suas relações, dos instrumentos e mecanismos destinados a lograr o harmonioso desenvolvimento da Comunidade Padmesa…

No dia 23 de março, após revisão do referido estatuto, Sua Alteza Real aprovou e decretou o regulamento que passou a viger na data de sua publicação. O presente documento é um orgulho para os padmeses, uma demonstração de modernização da sociedade do Estado-Novo, aberta aos novos tempos, e desapegada aos velhos paradigmas.

 Príncipe Soberano se reúne em Sessão conjunta na Mandala de Orientalismo Lusófono

O Príncipe foi convocado a participar de uma sessão conjunto na Mandala de Orientalismo Lusófono, principal fórum governamental voltado aos assuntos pertinentes a Ásia micronacional.

Na sessão, foi apresentada pelo Kfah da Escorvânia, Abbas I uma proposta de constituição do bloco, que vise regulamentar a organização, seu funcionamento, objetivos e outros aspectos formais da organização.

Foi dado provimento positivo a proposta, e os países membros esperam juntos fortalecer seus laços diplomáticos, e fazem votos que o bloco seja um órgão de formalidade, representativo e coadjuvante aos novos ou antigos micronacionalistas que desejam integrar-se a Ásia Micronacional.

 Padme dá início aos trabalhos no Parlamento

No dia 25 de Março, Padme viveu um grande avanço em sua democracia, com um quórum considerável e permitido pela constituição, o país iniciou seus trabalhos do Conselho Supremo.

A cerimonia foi aberta pelo Príncipe Soberano que emitiu uma mensagem de incentivo e responsabilidade aos integrantes da 1ª Legislatura Nacional, nomeado pelo monarca para ocuparem as cadeiras do parlamento.

Espera-se que neste mês de abril, sejam propostas algumas emendas na constituição, e propostas algumas leis que regularizem a segurança e o direito de família, assuntos que se fundem com o novo cenário social do país, que aos poucos tornam-se tradição.

Parlamento: Príncipe Soberano discursa na abertura do Conselho Supremo

Sua Alteza Real, o Príncipe Soberano deu início na manhã deste dia 25 de março a abertura do Conselho Supremo, o colegiado funciona como o Parlamento Padmês. O Soberano julgou ser procedente dá início aos trabalhos da primeira legislatura nacional de Padme, visto que o país já possui quorum suficiente para votações e deliberações em plenário.

No discurso de abertura, o Príncipe Samir, incentivou os novos parlamentares a um esforço  conjunto para manter os viés da democracia, e da dinâmica parlamentar, a fim de que seus membros possam desenvolver as competências necessárias para o bom exercício da cidadania e da política nacional.

Na cerimonia, os novos representantes lavraram o termo de posse, e prestaram o juramento em manifestação pública. Espera-se que, com o início dos trabalhos no Conselho Supremo, sejam proposta leis que a Constituição padmesa não contempla de forma expressa em seu texto e outros dispositivos de ordem nacional.

Imigrantes: Padme recebe novos cidadãos!

Com a Proclamação do Estado-Novo em 01 de Março de 2017, Padme vem fazendo um esforço para se recuperar de uma significante saída de cidadãos do país. Esse episódio foi o estopim da reforma legal, que pois a viger uma nova constituição em Padme, que atendesse melhor as necessidades da micronação. É dado que na semana do dia 13/03, Padme recebeu um relevante grupo de pessoas, candidatas a cidadania padmesa, e na mesma semana foram homologadas parte das candidaturas.

O Príncipe Soberano, ressaltou em nota “que não é adepto ao proselitismo…” Sua Alteza, embora incentive o turismo em Padme, evita políticas que sejam intransigentes, julga que cada pessoa tem livre arbítrio para escolher a micronação que deseja ser membro, segundo seus princípios e suas convicções. O cidadão padmês é aquele que se compromete em manter a dinâmica do projeto, e não um número frio nas estatísticas do governo.

Como funciona a aquisição da cidadania padmesa?

O sistema é parecido com as demais micronações, no site oficial é possível candidatar-se preenchendo uma ficha (clique aqui). Contudo, é destaque algumas peculiaridades: Primeiramente é instaurado um processo, que é julgado, e não arbitrário, como geralmente acontece. Isto implica dizer, que nem todos os candidatos estão qualificados a tornar-se parte integrante do país, avalia-se no processo os antecedentes, à conduta social, à personalidade do candidato e os motivos da candidatura. 

17392196_1143896552387917_350803609_n
Certidões de Nacionalidades Padmesa homologadas no Gabinete do Príncipe Soberano

Outro fato curioso, é que a cidadania padmesa para ser válida, precisa ser “assinada a punho” pelo Príncipe Soberano, e não admite-se assinatura online ou eletrônica, somente a velha e falha caneta. O cidadão tem por direito, receber gratuitamente a certidão, cópia ou original assinada, entregue via online, ou recebe-la fisicamente em sua própria casa, mas arcando com os custos de envio. Padme felicita seus novos integrantes e que haja benefício para todos nós!

Ministra do Interior inicia trabalhos no ministério com proposta de garantias fundamentais a sociedade padmesa

A Excelentíssima Ministra do Interior, Amélie Loreal, nomeada ontem (16/06) para assumir o Ministério, já começou seus trabalhos de forma pujante, e atenta as necessidades sociais. A Constituição Padmesa de 2017, em seu artigo 34 par. único, prevê que “os direitos e garantias fundamentais dos cidadãos padmeses e estrangeiros em solo nacional serão definidos por legislação específica“. E ciente dos princípios constitucionais e da pasta a qual é competente, a jovem ministra se empenhou para preencher essa lacuna.

Enviou na tarde deste dia 17/03 uma proposta de Estatuto da Cidadania, que irá garantir de forma mais sólida, os direitos e deveres dos cidadãos padmeses, bem como os estrangeiros  que residem em solo nacional. A Proposta foi enviada ao Gabinete do Príncipe Soberano para as devidas considerações, e passará por um percurso até sua aprovação.